terça-feira, 26 de abril de 2016

GOVERNO DO RIO EM APUROS COM A JUSTIÇA

A grande mídia vem publicando nos últimos dias o problema financeiro do estado do Rio de Janeiro que não está pagando os vencimentos dos aposentados e pensionistas do estado. A justiça carioca vinha sendo provocada para intervir já que o direito ao salário é protegido em todas as situações e tem prioridade absoluta na escala de pagamentos de qualquer empregador, seja do setor público ou privado. As verbas dessa espécie são consideradas verbas alimentares e devem ser pagas religiosamente no dia do seu vencimento. Aposentados do Rio estão sem receber e a justiça resolveu agir. Hoje foi determinado pela justiça o bloqueio de 630 milhões de reais das contas do governo do estado, tendo ficado fora do bloqueio as verbas de educação, saúde e segurança pública.
O bloqueio destina-se ao pagamento imediato das aposentadorias e pensões dos servidores inativos, mas o estado pretende recorrer da decisão.
O que deixa implicado o analista mais atento é o fato de a lei de responsabilidade fiscal estabelecer que os estados não podem gastar além do limite de 60% da sua arrecadação líquida, em folha de pagamento de servidores, excluídos os inativos por interpretação suplementar. O dinheiro para esse fim não pode ser usado para outras atividades.
Se a constituição e a lei garantem que as verbas alimentares não podem sofrer atraso, e se no orçamento essas verbas estão previstas e, portanto independem de quaisquer providências especiais, elas nunca poderiam sofrer atrasos em seu cumprimento.
O fato é que o Rio de Janeiro deve estar ressentindo a falta de repasses do governo federal, o que vem dificultando a abundância de sempre, e por conta da copa do mundo, um grande vexame brasileiro, e das olimpíadas previstas para este ano, as despesas devem estar além da capacidade de realização do estado e assim, as pensões e aposentadorias acabaram sendo atingidas pela irresponsabilidade fiscal do governo carioca.

O bloqueio judicial pode levar o estado a ter que deixar de pagar obras e outros investimentos e assim colocar em risco a qualidade do ambiente em que se realizarão as olimpíadas. O vexame na realização deste evento poderá ocorrer porque o Brasil não pode e nem tem condições de bancar os excessos comuns a esses eventos regados a vaidades e luxos.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

IMPOSTO DE RENDA NA RETA FINAL

Termina na próxima sexta feira o prazo para se fazer a declaração de imposto de renda, e ao que parece, mais uma vez, os brasileiros deixaram para a última semana.
Quem ainda não fez é bom fazer logo para fugir da multa e do desconforto de ser considerado em falta com o leão que é bravo. 

QUEM SERÃO OS CANDIDATOS A PREFEITO EM CARAGUÁ

Essa é a pergunta que se ouve nas ruas da cidade com frequência exagerada. O fato é que por ora, ninguém é candidato a nada por que a lei eleitoral só autoriza a candidatura depois de realizadas as convenções partidárias e oficializada a inscrição do nome junto à justiça eleitoral. Convenções só se realizarão depois do mês de junho para as eleições que se darão no mês de outubro. Há alguns que andam se dizendo em campanha antes da bola rolar e isso é temerário porque na convenção dos partidos pode haver surpresa e alguém que estava em campanha ser preterido na votação dos convencionais ou ser impugnado pela justiça e ficar fora da disputa. Cada partido ou coligação de vários partidos, somente poderá indicar um nome para a disputa de prefeito e no caso de Caraguá, o máximo de 30 candidatos a vereadores. Neste ano a campanha começará bem mais tarde do que nos anos anteriores já que serão apenas 45 dias de campanha oficial enquanto nos anos anteriores era 90 dias o período de propaganda. 
Caraguá tem alguns nomes que estão se apresentando como pré-candidatos a prefeito e inúmeros outros que pretendem ser vereadores. Dentre os que se dizem na disputa do cargo máximo está o Alvaro Alencar, advogado, pelo PPL- Partido da Pátria Livre, José Ernesto, médico, pelo Solidariedade, Nivaldo Alves, ex-secretario de esportes da cidade, pelo PR, Gilson Mendes, engenheiro ex-secretário de obras da cidade, pelo PSDB,  Neto Bota, vereador, e especulam o meu nome, João Lúcio como pretenso candidato. 
O Gilson Mendes afirma publicamente que é o candidato que será apoiado pelo atual prefeito da cidade, o que se confirmado, elimina a possibilidade de o Neto Bota disputar porque estão ambos no mesmo partido o PSDB, salvo a hipótese de ter havido alguma mudança que não tenha sido divulgada. Outro nome que anda circulando é o do médico Jose Ernesto, que sai em carreira solo. Nivaldo Alves vem acelerando os trabalhos conta com algumas legendas, mas vai também correr na mesma raia do Gilson e do José Ernesto. 
O Álvaro Alencar, advogado, deve sair pela frente popular formada por partidos que não fazem parte do atual sistema de governo local e seria junto ao nome do João Lúcio opção oposicionista ao atual modelo de governo.
Álvaro e João Lúcio têm ampla relação de amizade e poderiam compor um conjunto com relativa possibilidade de uma boa eleição, mas por ora ambos mostram interesse em disputar o cargo máximo na cidade. João Lúcio é do PROS.
Nesse universo de debates, pode se entender que havendo a união de Álvaro e João Lúcio numa só chapa, o que ainda não é possível de se afirmar, as eleições de prefeito em Caraguatatuba não teria hoje nenhum favorito se levado em conta o conjunto de nomes acima delineados. 
É bom levar em conta que a legislação eleitoral proíbe grandes gastos na campanha deste ano e quem abusar do dinheiro poderá ganhar e não tomar posse.

ECONOMIA NÃO É TUDO

O estado brasileiro segue o seu destino sem bússola e sem velocímetro, numa viagem que poderia ser mais tranquila se as diversas vertentes que influem no poder se entendessem e buscassem juntas a utópica união de forças rumo ao desenvolvimento. O governo Fernando Henrique foi um período que valorizou em parte as intenções sociais, com a tal social democracia, e avançou alguns pontos na rota de justiça social, ainda que timidamente. Lula aprofundou a aliança entre poder e trabalhador, deixando o empresariado como coadjuvante, papel secundário que nunca agradou aos capitalistas convictos acostumados aos polpudos financiamentos dos seus negócios nem sempre lícitos, vide o exemplo das empreiteiras cujos dirigentes estão presos e a culpa é do governante e não do empresário, segundo a opinião dos derrubadores de governo. O Brasil tornou-se um estado muito grande, com impostos de primeiro mundo e serviços públicos equiparados aos da África, ou seja, de terceiro mundo. A corrupção tem sido o grande problema da estrutura política brasileira.  Corrói qualquer orçamento e empobrece a qualidade dos serviços públicos especialmente o de saúde e educação, além de prejudicar tanto em qualidade como em quantidade as obras públicas e a infraestrutura, cujos custos são altos e os resultados são de má qualidade, vide a ciclovia do Rio de Janeiro, último exemplo da afobação e falta de controle das obras públicas.
Notícias chegam de Brasília e de São Paulo, dando conta de que o vice-presidente Michel Temer em seus preparativos para composição de eventual governo em substituição à Dilma, cuja cassação é controversa, está deixando bastante felizes os representantes, do empresariado, da agricultura, da indústria, e os economistas que têm saído satisfeitos das visitas ao eventual futuro presidente do Brasil.
Nesta semana foi o representante da FIESP - Federação das Indústrias de São Paulo, que em entrevista depois de visitar o Temer, diz ter obtido dele a promessa de que não vai aumentar tributos, vai estabelecer idade mínima para a aposentadoria, e vai enquadrar o orçamento público à realidade financeira do estado brasileiro.
Isso quer dizer que está chegando ao fim a aliança entre governo e trabalhadores, que poderá ser substituída pela nova velha aliança entre empresários e governos. As manifestações indicam que poderá haver redução nos programas sociais de combate à pobreza, como bolsa família, minha casa minha vida e outros, e deverá haver maior incentivo aos investimentos de capitais, para recuperar a chamada credibilidade do investidor. Essa é a vontade da maioria das forças que estão bancando a queda do governo popular do Partido dos Trabalhadores.
No ambiente político, nada é tão claro como parece, e os partidos que estão se unindo ao PMDB para derrubar o governo poderão se juntar ao mesmo PT ali na frente para substituir o possível futuro governo do PMDB.
No fundo a queda de braço está instituída entre o capital e o trabalho, desta vez, com o poder popular sendo destituído de forma dramática.

Há possibilidade de que os movimentos populares de rua, voltem a ser promovidos pelas organizações sindicais, e que o conflito de interesses passe por momentos tormentosos se os interesses dos trabalhadores forem atingidos pelo novo programa de governo da chamada burguesia economicamente incorreta, que só visualiza o resultado econômico sem ter olhos para o social.
João Lúcio Teixeira

sábado, 23 de abril de 2016

OS RISCOS DAS PUBLICAÇÕES NA INTERNET

A comunicação social nos tempos modernos, pode estar surpreendendo a humanidade, já que o mundo pode conhecer algum fato em poucos segundos, sem que haja possibilidade de censura. A internet veio para inaugurar a era da liberdade absoluta do que se pode dizer ao mundo. Qualquer cidadão que tenha um aparelho de telefone celular pode falar ao mundo a qualquer momento e difundir um fato em questão de segundos. O Brasil está nesse universo e possui cerca de 200 milhões de aparelhos celulares com possibilidade de conectar à rede universal. A informação percorre as ondas eletromagnéticas que fazem parte do universo e que não é controlada por nenhum governo, atravessa oceanos rapidamente e difunde as ideias. Não havendo possibilidade de censura, cada indivíduo tem que saber que os excessos podem ser punidos porque mesmo que se queira retirar do ar, o que foi dito, não será possível apagar os dados que chegaram aos inúmeros telefones e computadores do mundo. Com base nisso, a operação “lava jato” é um exemplo de aumento da capacidade de punição através de provas colhidas na rede de comunicação social.
Esse sistema pode fazer bem e pode causar mal dependendo da forma com que é utilizado, assim como qualquer tecnologia nova que pode salvar ou ceifar vidas dependendo da forma com que seja utilizada.
Se os jornais, revistas, rádios e televisões, não são mais os únicos difusores de informações, todos os cidadãos viraram jornalistas, radialistas ou mais, mesmo sem conhecerem o código de ética da comunicação. Aliás a constituição federal de 1988 foi quem antecipou essa possibilidade quando diz em um dos incisos do artigo que fala sobre direitos e garantias individuais, que serão livres e independem de autorização e licença, as atividades de comunicação, artísticas e culturais, conteúdo que acabou com a Ordem dos Músicos, e ainda que muito combatida, a regra acabou com a exclusividade do diploma de jornalismo para se ingressar na profissão. Hoje quem tiver alguma formação superior em qualquer área, pode se dirigir a um posto do ministério do trabalho e requerer a sua inscrição como profissional jornalista. Isso irrita à comunidade de profissionais formados em jornalismo, mas não tem como impedir a possibilidade, se não for modificada a constituição.
Muitos médicos, advogados, engenheiros, pedagogos, e outros, exercem regularmente a profissão de jornalista devidamente autorizados.
Na prática, há abusos para mais e para menos, e os abusos acabam controlados por outra forma de restrição que vem dos direitos e garantias individuais dos demais indivíduos, como no caso de crime contra a honra (calúnia, difamação e injuria) que se ofendida a honra de alguém por alguma publicação ofensiva, pode ser iniciado um processo crime que poderá terminar em condenação do ofensor à prisão, e por isso o cuidado em relação ao que se escreve é fundamental para serem evitados os dissabores de estar em um banco de réu, frente a algum juiz o que extremamente desagradável.
Noutra face da observação, há na legislação civil o instituto da indenização por danos morais que pode advir de um processo civil a obrigação de indenizar o desconforto causado a alguém por ofensas escritas em rede social. Têm sido muito comuns as ações cíveis e criminais e a justiça tem punido com severidade os comportamentos mais exacerbados.
Tudo o que surge no mundo com poder de influir no comportamento humano, leva algum tempo para ser absorvido e utilizado com comedimento até que seja definitivamente absorvido.
O que mais desejam algumas pessoas quando no auge da raiva, é xingar a algum desafeto que lhe tenha causado aborrecimento, ou quem sabe uma traição no casamento, uma dívida não paga, mas existem temas que são de interesse privado e não público. Tornar pública uma situação privada somente para fins de vingança, é ato que pode render sentença condenatória civil e criminal.
A rede é, talvez, a maior conquista da humanidade nos últimos tempos, nos permite ver e falar gratuitamente com alguém que esteja do outro lado do mundo, nos permite saber em tempo real com ou sem imagem sobre algo que acontece longe de nós, e nos permite divulgar fatos à vontade. Só que é conveniente lembrar que existe algum juiz em algum gabinete que se for provocado por alguém que se sinta ofendido com alguma publicação, lá na frente poderá haver responsabilização. Lembre-se do caso de um jovem que foi torturado e morto pela polícia militar do Rio de Janeiro, e que por azar dos policiais o telefone celular de um deles gravou os sons da execução. Os agentes policiais não contavam com essa possibilidade e agora certamente terão dificuldades para negarem a verdade. O que foi para a rede não pode ser apagado, tal como o projetil depois de deflagrado o tiro. Não há possibilidade de volta.
A rede pode ser o Grande instrumento de difusão de conhecimento, e tem sido, mas tem trazido muita informação maldosa, distorcida que precisa ser cuidadosamente observada. Há quem tenha censo de limite e de responsabilidade, mas há também quem inventa ou altera fatos e os publicam enganando os leitores.  Há brincadeiras que ofendem, há de tudo nessa forma de mídia, diferente da televisão que não publica antes de confirmar a veracidade e autenticidade do conteúdo.
Assim, quem não quiser se aborrecer com os resultados do que escreve ou do que compartilha, compartilhar também traz responsabilidades, deve usar o senso crítico do jornalista para se prevenir dos dissabores.
João Lúcio Teixeira
MTB- 83284


JOAQUIM BARBOSA FALOU E DISSE

São Paulo — O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, disse nessa sexta-feira (22) que sente um "mal estar" com a fundamentação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e que a alegação "é fraca e causa desconforto". As declarações foram dadas em um evento em Santa Catariana e publicadas pelo Diário Catarinense
"A alegação é fraca e causa desconforto. Descumprimento de regra orçamentária é regra de todos os governos da nação. Não é por outro motivo que os estados estão quebrados. Há um problema sério de proporcionalidade. Não estou dizendo que ela não descumpriu as regras orçamentárias. O que estou querendo dizer é que é desproporcional tirar uma presidente sobre esse fundamento num país como o nosso", afirmou Barbosa. 
"Vão aparecer dúvidas sobre a justeza dessa discussão. Mais do que isso, essa dúvida se transformará em ódio entre parcelas da população. Quanto à justeza e ao acerto político dessa medida tenho dúvidas muito sinceras". 
Novas eleições
O ex-ministro também defendeu a realização de novas eleições presidenciais. "Organizem eleições, deixem que o povo resolva. Deem ao povo a oportunidade de encontrar a solução. A solução que propus é uma transição conduzida pela própria presidente. Mas ela já perdeu o timing", afirmou.

Barbosa disse ainda que Dilma "não soube conduzir o país": "Ela não soube exercer a liderança que se espera de um chefe de Estado. Agiu como se governasse apenas para o seu grupo político e para os seus aliados políticos na ocasião. Ela não soube se comunicar com a nação, fez péssimas escolhas, cometeu erros imperdoáveis num governante dessa estatura". 

sexta-feira, 22 de abril de 2016

FERNANDO HENRIQUE BRAVO COM O BOLSONARO

O FHC não se conforma com o discurso do Bolsonaro que rasgou elogios ao principal militar declarado torturador pela justiça paulista, o Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, do exército, que comandou o DOICOD nos anos de chumbo, e foi responsável por inúmeras mortes de cidadãos sem qualquer julgamento pela justiça. FHC pediu ao PSDB que repudie o ato do Bolsonaro que só faz aumentar o ódio entre brasileiros.

MÃE ABANDONA FILHA RESCÉM NASCIDA

O Blog recebeu informações precisas sobre uma criança recém nascida que foi abandonada dentro da igreja da cidade, de Santa Branca, ontem à tarde. A criança foi encontrada cerca de umas quatro horas após o seu nascimento e, segundo o nosso informante, a menina de pele clara de olhos claros, bem bonitinha estava faminta e mamava como se nunca houvesse mamado antes. Os agentes do conselho da criança e adolescentes, da cidade resgataram a criança que foi levada para o abrigo e deverá ser destinada ao sistema de adoção. Recém nascida, branca e bonita, é o protótipo do desejo de consumo da maioria dos casais que se inscrevem na fila em busca de um filho. Lá em Santa Branca, o ministério público está bem atento e a criança será destinada à família que estiver na frente da fila e em condições de assumir o encargo. Nos foi dito que o promotor de lá é muito criterioso e certamente a menina será bem acolhida. A mãe, se for descoberta, poderá não responder a crime algum se tiver cometido o ato em situação do que se chama “surto pós parto” em que a mãe diante de tamanha responsabilidade se desespera e busca alguma forma de se livrar do filho. Se constada a crise emocional pós parto, a mãe poderá ser absolvida de acusação criminal, mas dificilmente ficara com a criança. Esta criança ainda teve sorte porque algumas mães tentam matar a criança quando no auge da emoção.

terça-feira, 19 de abril de 2016

O COMPORTAMENTO DO BOLSONARO

Durante o processo de votação do impeachment da presidente da república, Dilma Rousseff, o deputado federal Jair Bolsonaro, cometeu ato criminoso ao prolatar o seu voto, quando se referiu à presidente Dilma como tendo ela perdido em 2004 e agora de novo perdeu. A referência perdeu em 2004 se dirigia ao fato de ela ter sido presa e torturada no DOI/COD por agentes da repressão que em nome do combate ao comunismo prendiam e torturavam pessoas inocentes ou não de forma invasiva e sem critério. A presidente Dilma tem dito seguidamente que foi torturada pelos agentes da repressão já que era militante da chamada resistência à ditadura militar.
Bolsonaro completou os eu discurso com uma homenagem ao Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, considerado um dos mais temidos torturadores à época.
Dilma já declarou que foi agredida pelo referido coronel que a chicoteava com um cipó enquanto urrava ao dar-lhe as cipoadas.
O ato de Bolsonaro mostra que ele gostaria de ver de volta a tortura e o autoritarismo que foi objeto de proibição na constituição brasileira e na lei

Tortura é a imposição de dor física ou psicológica apenas por prazer, crueldade. Como pode ser entendida também como uma forma de intimidação, ou meio utilizado para obtenção de uma confissão ou alguma informação importante. É uma espécie de sadismo exacerbado que causa prazer ao doentio espirito do torturador que nos anos 60 submeteu inúmeros brasileiros ao sofrimento por conta de diferenças doutrinárias. 
Há que se admitir que se a maioria do povo brasileiro quiser mudar o regime político do país, a minoria não pode fazer uso da força para impedir a liberdade de pensamento e de opinião sonre politica;

Está no código penal brasileiro o seguinte artigo:
Apologia de crime ou criminoso
Art. 287 – Fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime:
Pena – detenção, de três a seis meses, ou multa.

A tortura também está incursa no Artigo 2º I e II da lei de crimes Hediondos da qual acresceu-se ser a tortura vedada a concessão de indulto. (observação Tortura é delito grave, mas não é crime hediondo). É delito equiparado a crime hediondo.

A Lei 9.455/97 também prevê no artigo 1º § 6º que o crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça ou anistia.

Bolsonaro ao discursar na tribuna fez referências à tortura de Dilma, e prestou homenagem ao torturador, tendo assim, infringido oa art. 287 do código penal;


O povo do Brasil precisa é educação, cultura e apoios que lhes permitam evoluir para se fazer mais capaz de escolher os seus políticos. O povo brasileiro não precisa de tutores fardados a lhes imporem regras de comportamento social.
Usar as armas, as fardas e os recursos destinado à defesa da soberania brasileira não é o mesmo que permitir que esses recursos seja usados contra ninguém do próprio povo do Brasil. Vai haver denúncias contra o Bolsonaro pela prática crime de apologia à tortura.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

RUA SEM SAÍDA PARA DEMOCRACIA BRASILEIRA

Esta é uma semana importante para a história do Brasil, momento de decisão no congresso nacional sobre os destinos da política brasileira. Há no poder um governo de tendência trabalhista ou esquerdista, e no país um movimento intenso contrário a permanência do atual sistema de poder.  Há quem diga que a crise econômica existe porque há uma crise politica que gera desentendimentos entre poder legislativo e poder executivo, e há quem diga que a crise política é que decorre da crise econômica, que nem a história do ovo e da galinha. O fato é que as duas crises caminham juntas e geram insatisfação popular, com as pessoas descrentes e sem esperanças.
A estatística é ciência exata, um braço da matemática, e mostra que a maioria do povo não gosta do governo atual, mas não tem nada melhor para colocar no lugar, já que as opções disponíveis não parecem merecer confiança.
O impasse que tem feito o povo oscilar entre ruim e pior, tem crescido junto com a sensação e insegurança. Uns querem derrubar o governo, mas uma parcela ainda maior da população não aceita a ocupação do cargo de presidente pelo atual vice e muito menos pelo presidente da câmara federal que tumultua mais do que administra.
Assim, pode se concluir que o atual sistema político brasileiro está em final de curso e que algo diferente tem que surgir para expurgar do poder os velhos de cabeças brancas, tão viciados no tal toma lá da cá.
A maturidade do povo está sendo desenvolvida com a nova mania de falar sobre política porque este é o tema da moda no Brasil, cuja população estava, há muito tempo, acostumada a achar o tema (política) desagradável e de certo modo indesejável. Os brasileiros voltaram a falar sobre política e assim vão evoluindo o consciente coletivo que aos poucos vai substituindo a noção individual, onde cada um quer resolver os seus problemas pessoais e familiares, sem se preocupar com os vizinhos e passa acreditar que o melhor caminho é a construção de um país melhor para todos, com serviços públicos de qualidade. Estamos indo rumo ao pensamento que justifica a vida em grupo, já que o ser humano é um ser essencialmente sociável que não nasceu para viver isoladamente.
Os partidos políticos e os políticos que estão hoje no poder são, em sua maioria, do tipo seletivo, uns querendo se perpetuar nos cargos e outros querendo privilegiar os seus partidos em detrimento dos demais partidos. É a briga pelo poder a qualquer custo que não é saudável, porque alimenta as divisões e coloca a nação em confronto. Se de um jeito de ver isso é saudável para evitar o predomínio de algum grupo, do outro jeito de ver é ruim porque os governos acabam não sendo para todos os governados, e gera em parte da população, o desejo de mudança pela simples mudança. Quem não recebe as vantagens que gostaria de receber é contra, como se fosse uma aposta em corrida de cavalos, onde cada apostador acha que o seu deve ganhar.
Esta é a idade da nossa democracia que sofre pela falta de solução do todo e fica nas disputas entre um grupo corrupto de um lado contra os grupos que gostariam de corromper e não conseguem se eleger.
O povo, em um estado democrático, é o fiel da balança que elege com seu voto direto o governante que melhor se apresenta segundo os seus interesses. Quando o PT- Partido dos Trabalhadores elegeu o Lula pela primeira vez, houve quem dissesse que o Brasil ia virar uma pobreza generalizada que nem Cuba ou Venezuela de hoje, e a resposta do governo popular acabou por agradar até os mais improváveis setores, já que ao invés de prejudicar o capital o Brasil fez crescer o seu mercado consumidor e fez crescer empresas e empresários. Saiu do governo com alto índice de aprovação em todos os níveis. A Dilma sucessora de Lula não conseguiu o mesmo desempenho, e o país está sofrendo uma crise que tem como origem um tanto de erro do governo, e um tanto da crise gerada pela entrada da China, Índia e Rússia no mercado mundial. Países importantes como alguns europeus e mesmo os Estados Unidos, também experimentaram dificuldades nos últimos tempos. Isso mostra que o Brasil também poderia sofrer dificuldades.

A correção de rumos tem sempre algum preço a ser pago e dependendo do resultado, qualquer preço pode ser alto ou baixo, se for para se atingir um patamar de satisfação social. Os partidos políticos estão em crise no Brasil, os políticos como indivíduos também estão em crise e o descrédito aumenta a cada discurso que se ouve. O serviço de comunicação social como rádio e televisão, estão devendo seriedade e imparcialidade nas comunicações, mas a sorte é que a internet tem suprido parte dessa tendenciosidade e permitido ao povo o debate sobre o seu futuro político. Esta semana é decisiva e vai definir se os partidos de esquerda vão continuar governando o Brasil ou se haverá mudanças. O congresso vai discutir o impeachment da presidente Dilma, e a nação que tem o poder do voto, vai avançar rumo ao conhecimento sobre política e assim aprimorar a qualidade do seu sagrado direito ao voto secreto e direto.
João Lúcio Teixeira - MTB- 83.284

quinta-feira, 7 de abril de 2016

O PSICOPATA PODE ESTAR AO SEU LADO

janeiro de 2008
Scott O. Lilienfeld e Hal Arkowitz

DIVULGAÇÃO
DR. LECTER, psicopata vivido no cinema por Anthony Hopkins
O termo “psicopata” caiu na boca do povo, embora na maioria das vezes seja usado de forma equivocada. Na verdade, poucos transtornos são tão incompreendidos quanto a personalidade psicopática.

Descrita pela primeira vez em 1941 pelo psiquiatra americano Hervey M. Cleckley, do Medical College da Geórgia, a psicopatia consiste num conjunto de comportamentos e traços de personalidade específicos. Encantadoras à primeira vista, essas pessoas geralmente causam boa impressão e são tidas como “normais” pelos que as conhecem superficialmente.

No entanto, costumam ser egocêntricas, desonestas e indignas de confiança. Com freqüência adotam comportamentos irresponsáveis sem razão aparente, exceto pelo fato de se divertirem com o sofrimento alheio. Os psicopatas não sentem culpa. Nos relacionamentos amorosos são insensíveis e detestam compromisso. Sempre têm desculpas para seus descuidos, em geral culpando outras pessoas. Raramente aprendem com seus erros ou conseguem frear impulsos.
FONTE: Site Mente e Cérebro

UMA RECEITA PARA SER FELIZ

Trecho final de uma palestra ministrada por  Robert Waldinger, professor da universidade de Harward na faculdade de medicina é psiquiatra. O inteiro teor da palestra pode ser encontrado no Google.

“Portanto, a mensagem é esta. As relações boas, íntimas, são boas para a saúde e para o bem-estar, é uma sabedoria tão velha como a sé de Braga. Porque é que é tão difícil de obter e tão fácil de ignorar? Bom, somos seres humanos. O que gostaríamos mesmo é de uma receita rápida, qualquer coisa que possamos arranjar que nos dê uma vida boa e a mantenha dessa forma. As relações são conturbadas e complicadas e o trabalho difícil de lidar com a família e os amigos não é sensual nem fascinante. Também dura a vida toda, nunca acaba. As pessoas, no nosso estudo de 75 anos, que foram as mais felizes quando se reformaram foram as pessoas que trabalharam ativamente para substituir os colegas de trabalho por novos companheiros de ócio. Tal como as pessoas nascidas nos anos 80 ou 90, naquele estudo recente, muitos dos nossos homens, quando chegaram à idade adulta, acreditavam que a fama e a riqueza e as realizações de vulto eram tudo de que necessitavam para ter uma boa vida. Mas, ao longo destes 75 anos, o nosso estudo provou vezes sem conta que as pessoas que se saíram melhor foram as que se apoiaram nas relações com a família, com os amigos, com a comunidade.
11:20 Então, o que se passa convosco? Digamos que vocês têm 25 anos, ou 40 anos, ou 60 anos. O que é que pode significar apoiar-se em relações?
11:30 As possibilidades são praticamente ilimitadas. Pode ser uma coisa tão simples como substituir o tempo de exilio por tempo com pessoas, ou animar uma relação adormecida, fazendo qualquer coisa nova em conjunto, longos passeios ou saídas à noite. Ou entrar em contato com um membro da família com quem não falam há anos, porque essas contendas familiares demasiado comuns têm um efeito terrível na pessoa que guarda rancores.
12:03 Gostava de terminar com uma citação de Mark Twain. Há mais de cem anos, ele estava a fazer uma retrospectiva da sua vida e escreveu isto: "Não há tempo, tão breve é a vida, "para discussões, desculpas, amarguras, prestação de contas. "Só há tempo para amar "e mesmo para isso, é só um instante".
12:33 Uma vida boa constrói-se com boas relações.
NOTA NOSSA: Ter amigos, parentes, colegas, esposas, maridos, filhos, é fundamental e mais fundamental ainda é saber faze-los felizes e ser feliz junto deles. Quem ama não cobra, não critica, não fere, só ama. Enxergar defeitos nos outros, não nos faz nada melhor.
Esta é uma contribuição que veio do meu filho Eduardo, e que eu achei importante compartilhar com os meus amigos e com quem mais desejar.

João Lúcio Teixeira – MTB 83.284

sexta-feira, 1 de abril de 2016

NÃO TEM SANTO EM POLÍTICA

01/04/2016 19h32 - Atualizado em 01/04/2016 20h07

Juiz suspende direitos políticos de governador e deputado; cabe recurso

Segundo ação, Marconi Perillo beneficiou campanha de Sandes a prefeito.
Políticos disseram que vão recorrer da decisão, ainda em 1ª instância.

Sílvio TúlioDo G1 GO
Marconi Perillo e Sandes Júnior foram condenados por improbidade em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução)Marconi Perillo e Sandes Júnior foram condenados por improbidade administrativa (Foto: Reprodução)
O juiz Élcio Vicente da Silva, da 3ª Vara da Fazenda Pública de Goiás, condenou, em 1ª instância, o governador do estado, Marconi Perillo (PSDB), e o suplente de deputado federal Sandes Júnior (PP) por improbidade administrativa. Pela decisão, decretada na quinta-feira (31), eles devem ser destituídos de seus cargos públicos e ter os direitos políticos suspensos pelos próximos cinco anos. Políticos informaram que vão recorrer.

FIM DE ENQUETE

Fim de enquete, com resultado surpreendente, em que o Blog perguntou se seria melhor para o Brasil ficar a Dilma, assumir o PMDB ou nenhum dos dois;
Os leitores do Blog decidiram que a melhor opção é ficar a Dilma com 57%, assumir o PMDB obteve 37%, e nenhum dos dois obteve 5% dos votos.

O que se vê é que o povo está insatisfeito com o governo, mas não vê nada melhor para substitui-lo neste momento.

RASTEIRAS NA POLÍTICA SÃO BEM COMUNS

O ser humano optou por viver em grupos porque assim, uns ajudam os outros e todos acabam se sentindo protegidos. Se defender em grupo é bem mais interessante do que o isolamento que até no mundo animal transforma o indivíduo em presa fácil do predador faminto.
A isso se denomina ética que é a ciência do bem viver em sociedade, onde cada um tem o seu papel e todos somam forças em prol do desenvolvimento do conjunto. 
Em política isso não acontece e quando um político sem escrúpulos e faminto de poder a qualquer custo vê outro político com algumas dificuldades, ele parte para destruí-lo porque assim ao invés de haver uma defesa em grupo há uma espécie de autodestruição da própria espécie que se destrói em combates desnecessários e antiéticos.
Em Caraguatatuba o Álvaro Alencar estava se preparando para ser candidato a prefeito da cidade e para tal teria que estar filiado a um partido político, e o fez na legenda do PSC cujo controle regional está nas mãos do Hernani, prefeito de São Sebastião. Tudo caminhava bem, até que um grupo político de Caraguá, liderado por um político que anda louco pra voltar ao poder, mesmo estando inelegível pela lei da ficha limpa, que atropelou a sigla e retirou do Álvaro a legenda no município de Caraguatatuba.
Essa mesma falta de ética é praticada no litoral norte por grupos políticos que controlam o poder e dele se beneficiam e beneficiam a um monte de amigos ou “parceiros”.
Em política vale tudo inclusive furar os olhos dos adversários ou castrar-lhes a possibilidade de disputarem as eleições. Só que desta vez fizeram aos partidos de oposição, da cidade, os da verdadeira oposição, um grande favor. A retirada da legenda PSC do grupo autêntico que terá candidatos vereadores e prefeitos em Caraguá, vai ampliar a possibilidade de ampliação da frente popular, já que havia resistência contra a presença do PSC junto ás forças de esquerda, porque traz em seu quadro uma figura indesejada que pretende ser candidato a presidente, o deputado Bolsonaro, uma enorme deformação da filosofia política de um país que não deseja mais a violência como forma de governo. Um inimigo do direito à opção sexual, à liberdade de manifestação, e ao direito de ir e vir. Um grande truculento que vai ser candidato a presidente apoiado pelo PSC em Caraguá. Se o jogo é esse então não poderão reclamar mais tarde. O Álvaro já encontrou guarida em outra legenda e vai à disputa apesar de tudo.
João Lúcio Teixeira – MTB 83.284