quinta-feira, 21 de maio de 2015

UMA BOMMMMMMMBA NO COLO DA MARINA

A senhora Marina secretária de saúde co município de Caraguatatuba deve estar sentindo muita saudade de São José dos Campos, cidade de onde veio.
A quantidade de "pepinos" que caem diariamente à sua mesa, é uma enormidade e a obriga a dar trombadas em funciona´rios e usuários a toda hora, por conta da desordem que é a secretaria de saúde local. Está peitando o conselho municipal de saúde, o corpo de profissionais da Corpore empresa que administra o pronto atendimento e pronto socorro, e os usuários que a todos os momentos estão em atrito com o péssimo atendimento do setor. Não que a atual secretária seja responsável pela desajuste da área que já vem ocorrendo há tempos.
Não dá pra explicar o que leva uma pessoa a aceitar tanto sofrimento se há no mercado de trabalho muitas coisas menos desalentadores para um profissional do seu nível.
Ser secreta´rio em um governo tão desordenado que já trocou secretários mais de 70 vezes em seis anos, é uma temeridade.
Melhor seria que ela pegasse dengue e isso fosse uma boa desculpa para voltar a dormir em paz.
Saúde é Caraguá pode significar doença.

terça-feira, 19 de maio de 2015

VOTE E AJUDE A DECIDIR

Seu voto nas enquetes ao lado podem ajudar pessoas a decidirem possíveis candidaturas.Vote a ajude.

VAMOS COMEÇAR PELA NOSSA CIDADE?

O mecanismo da política é extremamente sinuoso e tem em certos pontos, que devem ser interpretados sem paixões e sem tendenciosidade. A Dilma foi uma escolha pessoal do Lula para sucedê-lo na presidência da república do Brasil, exatamente pelo seu perfil de personalidade forte, determinada e incisiva, mas o que não estava visível era o seu grau de flexibilidade para conviver com as intempéries comuns no cenário do poder público. Lá, dois mais dois nem sempre somam quatro, porque há que se fazer descontos e acréscimos nem sempre previstos na teoria. O Lula conviveu bem com essas diversidades, administrou o Brasil com relativa tranquilidade nos oito anos que esteve à frente do governo federal, tendo sido competente para lidar com as vaidades e os interesses que compõem o universo político.
Lula conseguiu avançar nas lutas que eram prioritárias como o combate à miséria, redução da pobreza, luz para todos, universidade para todos, minha casa minha vida, bolsa família, sem criar dificuldades aos interesses daqueles que poderiam dificultar a sua caminhada de cunho socialista, sem, contundo, exagerar nas doses. Não se pode negar que ele avançou bastante e o Brasil deixou de ser um país tão miserável.
A Dilma mostra um perfil bem mais à esquerda e tentou imprimir ao seu governo uma tendência meio Bolivariana que o povo brasileiro não está preparado para assimilar, e isso fez de sua trajetória um jogo complicado em que está levando muito mais gols do que fazendo. Há uma perda enorme da capacidade de realização do governo e o desgaste é evidente por conta da falta de sensibilidade e da excessiva audácia ideológica.
Dá pra ver que no Brasil, as grandes mudanças nem sempre se viabilizam porque o povo tem medo do desconhecido que já causou traumas com aquela revolução maluca de 1964. Agora o brasileiro prefere ser mais conservador e quem desejar implementar mudanças tem que ter calma, inteligência e muita sabedoria.
O Lula tem falado em forçar a saída da direção nacional do PT e ocupar os espaços com gente menos radicalizada, que possa contribuir com a permanência do partido no poder e permitir um avanço ideológico mais manso e que consiga apoios suficientes, sem grandes desgastes.
O possível recuo tático pode ser uma forma de não se perder a oportunidade dos avanços no campo da cidadania e da construção de uma democracia plena com povo capaz e governo adequadamente idealista no sentido mais amplo da palavra.
A Dilma pode ter tentado impor um ritmo acelerado e perdeu-se na segunda curva do percurso sinuoso, estreito e acidentado que é a política brasileira.
Ser socialista ou ser capitalista, aos olhos do povo pouco importa se houver oportunidade de vida digna para todos. A denominação de esquerda ou de direita não será importante aos olhos do povo.
Vista a dificuldade encontrada pela Dilma para implementar em todo o país uma mudança radical, e em ritmo acelerado, melhor imaginarmos a possibilidade de se implementar uma espécie de socialismo municipalista antes de querer mudar toda essa parafernália que se chama Brasil. Começar pelas cidades seria bem mais fácil e nada impede que uma cidade tenha o seu plano econômico que vise a incluir os munícipes nas discussões em que se debatam a geração de emprego e a distribuição justa da renda, a redução da pobreza municipal, e o combate à miséria local.


A gente fica discutindo o Brasil e não enxerga a situação da nossa vizinhança. Aqui, a nossa vista alcança e quem sabe o poder seja menos complicado. O Brasil começa na nossa casa.
João Lúcio Teixeira

segunda-feira, 18 de maio de 2015

O MÁRMORE ESTÁ CAINDO

Dizem que a verba de reposição do mármore da mureta da praia lá em Sucupira, vai custar o olho da cara para a prefeitura. Ao que se sabe obra de construção civil tem garanti de cinco anos. O prefeitão vai exigir que a empresa reponha as pédras que ela colocou de qualquer jeito e estão caindo e quebrando?
Pode duvidar se quiser porque o negócio foi feito para dirar pouco.

KASSAB EM ALTA

VAI HAVER UM CORTE MONSTRUOSO NO ORÇAMENTO DO GOVERNO FEDERAL, MAS O MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO KASSAB VAI TER AUMENTO VULTOSO DE DOTAÇÕES. VALE A PENA PUXAR O SACO NÃO IMPORTA DE QUEM.
O KASSAB ESTÁ MELHOR DO QUE A ENCOMENDA E JÁ APARECE QUE NEM PAPAGAIO DE PIRATA NO OMBRO DA DILMA QUANDO ELA DISCURSA. OH VIIIIIIDA!

A FILA ANDA, ÀS VEZES PARA TRAS

O PSDB na próxima segunda feira vai usar o horário gratuito dos partidos políticos para fazer uma grande crítica ao governo do PT. Só que desta vez quem vai ser o garoto propaganda e´o Fernando Henrique e não o menino prodígio da Minas Gerais. O FHC vai tentar mostrar que a corrupção é do governo Lula, que a inflação é do governo Dilma e que o Brasil só ia bem quando ele governava.
Outros partido já preparam a contra partida. Aguardem.

LULA EM ROTA DE COLISÃO COM O GRUPO DILMA

A grande mídia está mandando ao ar noticia sobre a possível intervenção do grupo do Lula no sistema de direção nacional do PT. Parece que dormiram ou cochilaram e um grupo muito especial de vocação mais à esquerda ocupou os principais cargos do partido e o desgaste pode estar se concretizando por conta da radicalização de alguns setores do poder. Ha´notícias de que Lula vai propor a antecipação do fim do mandato do atual grupo dirigente.
Isso pode desencadear em alguma forma de racha com criação de nova legenda.
Por coincidência ou não, a Marta ainda está voando por ai sem pouso definido.

UNS DIAS DE FOLGA

CLARO QUE UM BLOGUEIRO PRECISA DE VEZ EM QUANDO TIRAR UMA FOLGUINHA SE NÃO PIRA. ESTAMOS NA LUTA DE NOVO.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

ATENÇÃO PARA ISTO


Eu me chamo Patricia Pereira, e sou a representante dos pais na comissão do Plano Municipal de Educação.
O planejamento da educação no Município para os próximos 10 anos, dá-se com esse plano que será votado no dia 13 de maio.
As inscrições para a Conferência estão abertas no site da Prefeitura até o dia 10 de maio. E as vagas estão limitadas a 500 pessoas. Essa conferência ocorrerá no Teatro Mário Covas.
No site também está disponibilizado todas as metas, que ao todo são 20, e as estratégias sugeridas pela Secretaria da Educação para atingi-las. 
E também nesse site foi disponibilizado um e mail para receber sugestões para o plano.
Recebemos sugestões tais como:
- diminuição da quantidade de alunos, 24 para primeiros anos iniciais ( até 3º ano ensino fundamental), 30 para anos finais
- os cargos de diretores e vices serem preenchidos por concurso.
- sistema apostilado privado
entre outras
Essas e as outras estratégias serão votadas e seria importante que pais e responsáveis viessem a essa Conferência.
É possível o senhor divulgar em seu blog e também no Noroeste News ?
Desde já agradeço a atenção
Patricia Pereira

VAMOS DESCOMPLICAR O BRASIL EM 2016

Certa feita, eu fiz uma análise despretensiosa sobre o possível desgaste do PT no exercício do poder central brasileiro, e vaticinei algo parecido com a situação atual da nossa realidade política. O fato é que nenhum partido resistirá no poder com essa forma de se fazer política com o tal “toma lá dê cá”.
A ideia de estado implantada no Brasil é a mais correta possível se vista do lado da simples teoria de estado, onde os três poderes, executivo, legislativo e judiciário têm funções teoricamente bem definidas, mas que na prática não são nem de longe observadas. O executivo que é exercido pelo prefeito, governador e presidente da república, tem a função de receber um montão de dinheiro de impostos e taxas, além de outras formas de contribuição, e com esses recursos construir o futuro da nação. Do outro lado, o poder legislativo que é exercido pelos vereadores, deputados e senadores, tem como funções mais importantes a fiscalização politico-administrativa do poder executivo para que não haja malversação das verbas públicas, e de fazer as leis que todos deverão respeitar. Resta ao poder judiciário garantir o respeito às leis que o poder legislativo tenha aprovado, fazendo com que os descumprimentos sejam punidos, ou com prisões nos casos de crimes e na esfera civil as reparações de prejuízos injustos, sejam eles de ordem pública como particular.
Se essas três instituições cumprissem com zelo e eficiência as suas missões o país, certamente, estaria em equilíbrio, com seus criminosos presos, corruptos fora da política e o povo estaria recebendo a restituição dos seus impostos em forma de serviços e obras de boa qualidade.
Quando todos esses agentes ocupam os seus cargos começa a tal da “convivência conivente” que fecha olhos e ouvidos diante das barbaridades que são observadas em todos os cantos do país, ao invés da convivência harmônica e respeitosa, pregada pela constituição federal, que manda que os poderes se respeitem, mas não manda que se permita a histórica impunidade que causa prejuízos incalculáveis à nação.
O PT no poder central do Brasil foi um voto de esperança dado pelo povo a uma nova possível forma de gestão. O Lula teve um desempenho que agradou a maioria do povo brasileiro, com práticas orientadas ao combate às diferenças sociais e redução da pobreza. Saiu bem avaliado depois de cumprir oito anos de mandato, e indicou a Dilma para prosseguir a obra petista. Se o Lula gozava de grande popularidade até entre classe menos ricas, a Dilma não tem conseguido apoios populares suficientes para sustentação de seu governo e o povo parece sentir-se como algum marido traído que odeia a sua própria história de vida. A presidente não consegue estar em nenhum local público sem que as vaias apareçam, e mesmo que alguns digam que essas manifestações são de autoria de ricos ou “burgueses” elas são uma realidade que incomoda e torna difícil o aparecimento público da senhora presidente.
O mais recente acontecimento foi em uma cerimônia de casamento em que a festa foi prejudicada pelo panelaço ainda que feito por cerca de trinta pessoas. O constrangimento é inevitável e se fosse em outras épocas, certamente as forças armadas estariam fazendo cessar essas formas de manifestações. A Dilma não tem conseguido tranquilidade em nenhum local que não seja o palácio de onde governa o país tal qual um urso hibernado.
O efeito de tudo isso, respinga no Lula que no último dia 1º de maio discursou para o menor número de pessoas da história recente no vale do Anhangabaú, e sentiu que a sua imagem antes festejada já sente as perdas causadas pela atuação da Dilma no governo. Na festa do trabalhador não se viu a Dilma, nem o Haddad, e nem outras figuras importantes que sempre perfilavam junto ao Lula.
A conclusão que se pode abstrair desta nebulosa situação é que o povo já não suporta a ideia de que política seja a troca de favores, que tem como objeto de negociação os recursos públicos advindos dos tributos pagos pelo povo, que ao invés de servir para construir um futuro melhor, na segurança, educação, cultura, saúde, serve para atender a politicagem inescrupulosa de deputados e vereadores ou senadores. O povo já não aceita qualquer presença de governante nas ruas ou em locais públicos e isso dá pra ver com prefeitos e vereadores que vivem escondidos do povo e só aparecem onde haja segurança abundante.
A solução desse caos nacional pode advir de possível melhoria na qualidade do voto. O povo tem que começar de zero e a oportunidade é o voto direto que nas próximas eleições vai eleger prefeitos e vereadores em todo o Brasil. Se os eleitores votarem em pessoas politicamente melhores, o futuro poderá ser promissor porque os prefeitos e vereadores serão os futuros deputados, governadores e presidentes da república. Se continuarem a vender voto, votar no mais bonito, no mais rico, no mais esperto, e em pessoas que portam graves defeitos de caráter, a história não vai mudar e a nação brasileira vai seguir sofrendo os efeitos do seu próprio voto.

A Dilma não inventou a corrupção, mas está governando um país corrupto da cabeça aos pés, e não tem forças para devolver a esperança do povo que se reduz a cada dia diante da televisão e de outras mídias que só falam em corrupção e não estão mentindo. Quem olhar sem paixões vai ver que se ela deixar o poder não há nada confiável para substituí-la, e o país poderá ingressar em algum processo de conturbação social cujo resultado final é inimaginável. Caso ocorra uma mudança extemporânea do poder, o Brasil poderá até melhorar, mas poderá ficar muito pior do que já está e, na incerteza o melhor é resolver a situação pelo voto nas próximas eleições, “antes que algum aventureiro lance mão da coroa” e tenhamos que voltar aos tempos do império. Note-se que se os políticos não são bons, ainda assim são o melhor que o nosso voto foi capaz de escolher e a responsabilidade é somente nossa e de mais ninguém. 

sábado, 9 de maio de 2015

LULA PODE VOLTAR EM 2018

Pela primeira vez, Lula encara o tema e não descarta a possibilidade de voltar a disputar a eleição presidencial de 2018.

É um fato notório que Lula intensificou e mudou a agenda para voltar ao cenário, com força e vontade, em um dos momentos mais conturbados do processo político. Cabe perfeitamente nesta nova rotina do ex-presidente o discurso feito em 1º de Maio, no Vale do Anhangabaú, na capital paulista, quando jogou no ar duas afirmações capazes não só de intrigar os eleitores em geral, animar os “queremistas” em particular, como também de deixar a oposição pálida de espanto.
Inicialmente, o valente metalúrgico emergido das históricas jornadas de greves no fim dos anos 1970 insinuou: “Não me chame para a briga, que eu sou bom de briga. Não tenho intenção de ser candidato, mas gosto de brigar”. Posteriormente, com a voz mais inflamada, afirmou: “Eu volto. Está aceito o desafio”.
Não parece apenas um jogo verbal de palanque com irônico conteúdo. Pela primeira vez, de público ao menos, Lula encara o tema e não descarta a possibilidade de voltar a disputar a eleição presidencial de 2018. Faz sentido o que ele disse? Sim. Há razões fortes para acreditar no retorno de Lula à peleja. Suas palavras não soaram somente como ameaça e, por isso, tem se mantido como alvo preferencial da mídia conservadora. 
Lula precisa proteger a cria. O Partido dos Trabalhadores atravessa uma crise brutal, a partir das confusões em que se meteu. Fragilizado, sofre ataques pesados dos adversários e, eventualmente, de certos aliados. 
Os petistas estão sendo caçados. Os desacertos partidários, estimulados pelo ódio de classe, favorecem isso. Só a força singular do ex-presidente pode resgatar o PT e restabelecer as virtudes de uma agremiação que completa 25 anos de vida.
A pesquisa Datafolha de meados de abril tem informações importantes em torno da eleição. Apesar do fogo pesado que sofre, se o pleito fosse hoje, Lula teria 29% das intenções de voto. Quase um empate técnico com Aécio Neves, com 33%.
Mas há outro reforço para o potencial eleitoral do ex-presidente. Na resposta à pergunta sobre o melhor presidente do Brasil, ele tem vantagem folgada sobre FHC. A sondagem indicou outra incômoda resposta: Getúlio Vargas (1883-1954), quase 60 anos após a morte, mantém honrosos 6% (tabela). 
Lula e Vargas são bons vinhos da mesma pipa. 
Com esse capital, Lula não pode pensar em simplesmente ir para  casa, após Dilma cumprir mais quatro anos de mandato. Além dele, não há alternativa nos quadros do PT, considerando, principalmente, a conjuntura adversa. Alguém pode apontar um só outro nome consistente, capaz de bom desempenho no confronto eleitoral com a direita?
Lula aposta que, em 2018, a economia estará recuperada. Esse seria fator fundamental. A recuperação é tão essencial como o conselho de Maquiavel ao Príncipe: se tiver de fazer o mal, deve fazê-lo de uma só vez. 

É o caso do controvertido ajuste fiscal?

sexta-feira, 8 de maio de 2015

EMPOLGAÇÃO EXCESSIVA PODE PREJUDICAR

Quem tem rabo de palha não põe fogo no rabo dos outros, é um adágio antigo que serve bem para o Deputado Federal atual presidente da Câmara do Deputados o Eduardo Cunha que assumiu o cargo no inicia deste ano cheio de gaz e determinado a derrubar a Dilma. Fez tanto barulho que acabou acordado pelo próprio ruido. Estão aparecendo vários atos seus que podem ser atos de corrupção. Vai acabar cavando o buraco onde irá cair. Quem faz parte de um sistema corrupto não pode bancar o salvador da pátria.

CONSELHEIROS DE SAÚDE DE CARAGUÁ AFLITOS

A Arara azul nos contou que o contrato da empresa que opera o sistema de saúde em Caraguá está expirado e não foi renovado ainda o que coloca em risco as responsabilidades sobre o serviço.
Os conselheiros querem se reunir para resolver a questão mas a chefona da saúde não deixa acontecer a reunião e não quer falar sobre o assunto. Será que tem raposa no galinheiro?
Em sendo verdadeira a informação da Arara Azul, a situação está irregular, ilegal e inconveniente, porque se houvesse eficiência a licitação para contratação de nova empresa teria sido realizada antes do final do contrato. Geralmente esses fatos acontecem para permitir contratação emergencial da mesma ou de alguma outra empresas de algum amigo do rei.
Parece brincadeira e os vereadores que estão ali para fiscalizar essas falhas da administração nem tocam no assunto. Com a palavra o vereador Aurimar que preside a comissão de saúde na câmara municipal. Seria bom que recebêssemos informações oficiais porque os cidadãos que usam o serviço público de saúde podem correr riscos se de um momento para o outro a empresa resolver abandonar o barco, já tão furado da saúde em Caraguá, bem no meio de uma crise chamada de "calamidade pública" decretada pelo mesmo prefeito que não conseguiu evitar a epidemia de dengue na cidade.
Os conselheiros da comissão de contratos e convênios querem reunião sobre o assunto, mas secretária de saúde está "enrolando" a possibilidade de convocação da reunião. A secretária é a Marina que já passou por várias secretarias e está encerrando a sua carreira na péssima situação da saúde pública de Caraguá.

UM CAFÉ COM O PEDRO MOTEMOR

O jornalista Montemor nos convidou para um café ali no "cafezinho da D. Maria" no shopping da pria em Caraguatatuba. Conversa interessante de conteúdo inteligente, já que se trata de um jornalista muito experiente. Falamos sobre vários temas e bem especialmente sobre possíveis nomes de candidatos a prefeito da cidade no próximo ano. Difícil é o assunto porque as especulações não permitem grandes imaginações. Um está impedido pela justiça, o outro também está, o filho não pode suceder o pai, vereadores são vários que se manifestam interessados mas morrem de medo de não se elegerem e ficarem sem cargos públicos e caírem no ostracismo.
Ficou ele meio surpreso quando eu lhe garanti que o PROS vai participar das eleições municipais com candidato próprio a prefeito e chapa completa de candidatos a vereadores.
O partido está filiando pessoas e com excelente aceitação já que se trata de sigla limpa e simpática.
No final ele saiu aflito para escrever mais conteúdos interessantes para o seu Blog.
Um abraço ao Pedro.

Mujica diz que Lula confessou a ele saber do mensalão

Para José Mujica, ex-presidente do Uruguai, “Lula não é corrupto, mas viveu o mensalão com angústia e culpa”. A revelação foi feita pelo próprio político em livro-reportagem sobre seus cinco anos na presidência uruguaia, “Uma ovelha negra no poder”. 


Nele, Mujica afirma que Lula fez uma confissão a ele sobre o escândalo durante seus anos no poder. De acordo com o ex-presidente uruguaio, o brasileiro teria afirmado que o sistema do mensalão, de compra de apoio político, era “a única forma de governar o Brasil”. 

“Neste mundo tive de lidar com muitas coisas imorais, chantagens. Essa era a única forma de governar o país”, teria dito Lula a Mujica durante reunião entre os dois em Brasília nos primeiros meses de 2010. 

Admirador do ex-presidente brasileiro, Mujica afirma que “Lula não é corrupto como [Fernando] Collor e outros ex-presidentes brasileiros, mas viveu esse episódio [mensalão] com angústia e um pouco de culpa”. 

FONTE PORTAL YAHOO

Pouco depois do mensalão vir à tona, em agosto de 2005, Lula fez discurso para a população no qual afirmava que se sentia “traído por práticas inaceitáveis das quais nunca tivera conhecimento”. O ex-presidente, pessoalmente ou por meio do Instituto Lula, não comentou as declarações de Mujica.